Borboleteando...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A vontade impulsiva de escrever e depois de ver tantos blogs interessantes me levou a criar um também... como borboleta, vou borboleteando por aí, sem saber onde isso vai dar nem onde irei parar... Bons vôos... εïз~*~

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso,
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece,
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?
Paulo Leminski


Sempre me saí melhor escrevendo que falando... por conta disso, tratei de ser observadora dos acontecimentos à minha volta. Principalmente aqueles que quase ninguém vê.

Certo dia, era um sábado à tarde, vinha do supermercado com os braços lotados de sacolas pesadas (a das coca-colas inclusive querendo rasgar) e as pernas titubeantes, equilibrantes, bufantes a tremelicar pelas calçadas.Eu mal sabia o que me aguardava pela frente... algo que me faria paralisar...

Calma, calma, não se tratava de assalto à velhinhas indefesas, nem acidente, nenhum avião se chocou contra um prédio, tampouco encontrei Bin Laden, ou um deputado escondido atrás da moita (pra ser sincera, nem moita tinha por lá, rs).

O que mexeu comigo foi o mavioso som de uma flauta, advindo de uma sala escura, escapando por uma bandinha aberta de janela, numa das casinhas do lado de lá. Como era gostoso ouvir aquela melodia, praticamente entrei em transe e fiquei a imaginar o que levara aquele flautista solitário a tocar uma canção assim tão bonita e saudosa ao mesmo tempo... aonde ele queria fazê-la chegar?

Logo mais à minha frente, na escadaria de um prédio (um dos poucos prédios existentes aqui), enxerguei uma moça, também solitária, sentada com os olhos semicerrados e a mão no queixo, viajando naquela melodia, quase podia jurar ter visto uma lágrima atrevida escorrer do cantinho do seu olho esquerdo.

E fiquei ali, parada, sacolas largadas, nem aí para as coca-colinhas que já estavam indo parar do outro lado da rua, sorvendo a magia daquele momento, o pensamento a mil por hora, tentando imaginar quem seria a musa (ou muso, quem sabe) inspiradora daquele tocador de flauta que, além das notas musicais, extraía de seu instrumento uma saraivada de sensações vividas e por viver. E a moça? Aquela melodia pegava em suas mãos e a levava mais precisamente para que lugar? De quem ou do que ela lembrava naquele instante? Que cor, que gosto, que cheiro teriam os pensamentos daqueles dois personagens solitários, naquela tarde de sábado? O que os tornava tão solitários assim?

Foi então que, como num estalo, percebi-me também sozinha, três almas desconhecidas e separadas, mas ao mesmo tempo unidas pelas notas musicais que estouravam em nossos rostos e ouvidos, tais como bolas de sabão, daquelas sopradas pelo canudinho...

Respirei fundo, juntei as sacolas que ainda me restavam e segui meu caminho... jamais tornei a ver o flautista, muito menos a moça da escadaria, mas a música, ah, a música... essa sim, carreguei comigo e guardo até hoje, basta fechar os olhos e sentir...

Pensamentinho de Cabeceira:

Isso de querer ser

exatamente aquilo

que a gente é

ainda vai

nos levar além

(Paulo Leminski - gosto tanto dele...)



28 comentários:

Stanley Marques disse...

Puxa, ainda bem que você montou o blogue para nos presentear com textos tão belos como o que acabo de ler neste post. Lindo texto. Você escreve tão bonito quanto o som da flauta que te levou em transe. Belíssimo texto. Aguardo novos textos e convido-lhe a acessar o meu blogue:

http://www.antologiaracional.com/
aceita parceria??

Ivan Junior disse...

Parabéns
profundamente Profundo =)

adorei o textinho final!

visite se puder, comente se te tocar:www.ivanjjunior.blogspot.com

Fernando Gomes disse...

isso me lembra eu fazendo comprar e torcendo para que elas não estourem..
aehaeuihaieuh

gostei da forma simples como você descreveu um fato cotidiano.. muito bom
;D

passa no meu tmb:
http://www.andisaidgoddamn.blogspot.com/

Dica: retire as palavrinhas pra confirmar nos comentários. Elas não tem utilidade nenhuma ;D

Grilo Pensante disse...

muito bonito o texto, prioncipalmente seu desfexo.
A música uniu pessoas nem tão solitárias assim.
PARABÉNS. O final mt profundo.
beijos


http://felipepensador.blogspot.com/

dani cabrera disse...

O "belo" une. : )

Tenho pensado muito sobre a possibilidade de estar vivendo uma vida muito pra dentro, ler demais, ouvir música demais, escrever demais... Isso traz certa solidão, mas acaba, no final das contas, despertando a união.

Adorei teu texto.
Perdão, o teu fato bem contado!

A música uniu 3 pessoas.
Teus textos vão despertar de 3 em 3 pra que se perceba a vida mais minuciosamente.

Grande beijo pra você!
Obrigada pela visita.
E volte sempre que quiser...

Até mais! :D

chicabumm disse...

que fim intrigante :)

O Profeta disse...

Sou!? Serei apenas um desalinhado?
Pensador fugitivo ao agreste sonho
Uma pedra pensante no meio da ilha
Meio Homem, meio Arcanjo, um ser bisonho


Convido-te a navegares esta vaga de sentires


Mágico beijo

Cissiane disse...

"A música exprime a mais alta filosofia numa linguagem que a razão não compreende."
Arthur Schopenhauer

Incrivel como a música consegue despertar todos os sentimentos, né?!

Já te disse que adoro a maneira como vc escreve? Vc consegue tranformar um acontecimento comum, (que talvez até passase despercebido por algumas pessoas) em um texto que envolve e transporta o leitor pro mesmo lugar que vc esteve...

Bjão, xa linda...

Tragicomicuzinho disse...

parabens..

escreve super bem!


bjo

Luciano disse...

Sim,os livros dele são ótimo.Você já leu Blecaute? Eu recomendo,Sammyra você vai gostar muito desse romance,ok,abraço

Paulo Roberto disse...

Parabéns!
Um triangulo lindo de borboletas que se encontraram através da canção que sai daquela flauta.
Parabéns pelo blog.

BETO FERNANDES disse...

ALÔ SAMMYRA!!

VERIFICANDO OS BLOGS DE JUAZEIRO ENCONTREI O "BORBOLETEANDO..." E ADOREI. PARABÉNS PELA INICIATIVA DE CRIAR O DIÁRIO VIRTUAL.

VENDO QUE ESCREVES BEM E, PRINCIPAL GOSTA, LHE CONVIDO PARA PARTICIPAR COMO COLABORADORA DO BLOG DO JUAZEIRO (www.blogdojuazeiro.blogspot.com). SE ACEITAR PODE ESCREVER EVENTUALMENTE OU DIARIAMENTE SE ACHAR NECESSÁRIO. BASTA MANDAR E-MAIL DO G-MAIL QUE TE ENVIO O CONVITE

SOBRANDO TEMPO VISITE TB A MINHA REVISTA.

RESPEITOSO ABRAÇO.

Gelsa Mara disse...

ao conto vc está certíssima, eu havia cabao de ler o livro há poucos dias, serviu-me de inspiração.

*Lusinha* disse...

Realmente, as pessoas as vezes se ligam, criam um laço em comum, sem nem saber.
Bjitos!

cleverton disse...

legal os textos xD

Letícia Castro disse...

E vc me emocionou com o teu comentário... enfim, hoje e todos os dias, emoções à flor da pele!
Quero trocar links com vc, vamos?
Beijo!
Letícia.
http://babelpontocom.blogspot.com

Mickey disse...

parabens pelo texto....muito animador....ou melhor dizendo otimo...gostei tbm do seu pensamento de cabeceiro

http://www.sonacachaca.com

Leandro Munis disse...

Eita menina boa de prosa!

hehe...

A gente viaja mesmo, né? Tem alguns momentos da nossa vida que são mágicos e muitos não tem a concentração necessária de perceber.

Sua visão do mundo é encantadora. =)

Sumitsu disse...

Poxa adorei teu texto.
Vc escreve tão bem quanto o som da flauta.
E que bom que alguem estava tocando flauta aquele dia, pois se não, não teria lido este belo texto.

Livia Queiroz disse...

Musica e Poesia...são 60% por cento de minha vida, de minha alma...os outros 40%, bem...prefiro n comentar rsrsr

Eu escrevo porque senão sufoco.
Pq minha cebeça não pára nunca e eu quese não falo...

E a musica...
Aaaaaaah a musica tem esse dom de unir o diferente.
De hipnotizar... Cada som eh tão mágico, tão simples tão doce que acaba despertando nas pessoas sensações esquecidas, ou até mesmo desconhecidas.
Eu respiro musica e não sei se o oxigênio me faria bem se fosse só o O² sem tal combinação dos acordes.

Vixe se deixar eu vou ficar aqui horas e horas escrevendo ...
É que eh a minha vida sabe?
A minha vidinha traduzida em ritmos,notas,acordes, melodias enfim...MUSICA MUSICA E MUSICA o q seria de mim sem ela?
Você tocou num assunto tão maravilhoso, to me sentindo leve... leve agora...
Ah tô escutando: Mãos Atadas (zelia Duncan).

Mto bom esse blog...
A borboletas transmitem uma paz incrivel!
Brigadaaaaa

bjaum

Hugo Jr. disse...

belo texto...
realmente gostei!!!

www.1irmao.blogspot.com
www.tirashd.blogspot.com

Se Liga Jovem disse...

muito bom os textos do seu blog!

§ol apena§ §ol disse...

Também prefiro escrever do que falar.


Se cuidah

Guilherme disse...

legal
otimo texto
paulo leminsk eh bom mesmo

abração

Luh Testoni disse...

que lindo!!
tava até imaginando a música aqui...
é incrivel mesmo esse poder que a múca tem de unir as pessoas né?

bjus!!

Mickey disse...

ah, vlw pela visita ao meu blog volte sempre

Giovanna. Prazer! disse...

"Eu escrevo e Pronto"
é isso ai !,

Sara Albuquerque disse...

Olá, moça... Descobri-te pelo Blogue de Letícia (Babel.com). Fiquei tão feliz em conhecê-la. ^^ Seu texto me fez sentir a música da flauta naquela tarde de sábado. É assim que me sinto quando vejo que nós, escritores, tão solitários e tão atentos aos nossos sentimentos, somos ligados por essas amigas sóbrias que insitem em sair do coração: as palavras.

Borboleatarei mais vezes por aqui. :)

Parabéns.