Borboleteando...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
A vontade impulsiva de escrever e depois de ver tantos blogs interessantes me levou a criar um também... como borboleta, vou borboleteando por aí, sem saber onde isso vai dar nem onde irei parar... Bons vôos... εïз~*~

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Vinte e nove...


Vinte E Nove
Legião Urbana
Composição: Renato Russo

Perdi vinte em vinte e nove amizades
Por conta de uma pedra em minhas mãos
Embriaguei morrendo vinte e nove vezes
Estou aprendendo a viver sem você
Já que você não me quer mais
passei vinte e nove meses num navio
E vinte e nove dias na prisão
E aos vinte e nove com o retorno de saturno
Decidi começar a viver
Quando você deixou de me amar
Aprendi a perdoar e a pedir perdão
E vinte e nove anjos me saudaram
E tive vinte e nove amigos outra vez

Pra mim, o que vale é a parte grifada da música! rs

A historinha infracitada é de minha autoria e uma republicação do meu antigo Borboleteando... queria dividi-la com vocês... porque, numa noite como esta, não há mesmo como não lembrar dele e das coisas que ele me falava... Há vinte nove anos é assim...

História de impressionar menininha...

O dia era uma quarta-feira. 31 de julho de 1979, bem de manhãzinha...
Um monte de gente no hospital, pra saber se era menino ou menina. Se fosse menino era o nome do avô e se fosse menina era um nome meio esquisitinho... Se fosse menina ganhava a boneca Amiguinha, se fosse menino, uma caderneta de poupança com o valor da boneca... Se fosse menino ia ser destemido como o pai, se fosse menina ia ser inteligente feito a mãe...
6h50min. Eita! Nasceu!!! É o quê? É o quê? É menina, chorona que só, gorda que só, branca que só, com cara de joelho que só, mas até que é bonitinha! Alvoroço. Confusão. Gente amontoada. Briga com medo do povo trocar ou carregar. Ele saiu correndo. Voando. Foi lá pro sítio! Aquele sítio de outrora, o sítio da infância da menininha, o sítio que tem um cheiro que só o sítio tem.
Chegou lá e o pai dele tava loonge, tava vendo as plantações, ou vendo sei lá o quê. Então, num impulso, mpurrou o dedo na sirene que fez aquele barulho que só as sirenes sabem fazer. Alvoroço, no meio das plantações, ou de sei lá do quê. Deve ter nascido! Será que é menino? Menina? Meu nome terá? Ou um nome esquisitinho? É menina! Ah...
E foi aquele corre-corre pra cidade. Que rosto terá? Como será? Vamos dar uma festa!

*Essa é a historinha que meu pai me contava todos os anos, na véspera do meu aniversário, até ele morrer e não contar mais... Saudade de ouvir essa historinha hoje... muito mais saudade ainda de quem me contava essa historinha num dia como hoje...


Pensamentinho de Cabeceira:
"Pai!
Pode crer, eu tô bem
Eu vou indo
Tô tentando, vivendo e pedindo
Com loucura prá você renascer"...
(Fábio Júnior cantou um dia e hoje quem canta sou eu...)

terça-feira, 29 de julho de 2008

Metade
Oswaldo Montenegro
Composição: Oswaldo Montenegro


Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio.
Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza
Que a mulher que eu amo seja pra sempre amada
Mesmo que distante
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.
Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
Apenas respeitadas
Como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.
Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso
Que eu me lembro ter dado na infância
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
Mas a outra metade eu não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito
E que o teu silêncio me fale cada vez mais
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.
Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba
E que ninguém a tente complicar
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
Porque metade de mim é a platéia
A outra metade é a canção.
E que a minha loucura seja perdoada
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também.

Porque esta música dispensa maiores comentários. Porque ela fala por mim. Porque ela já disse tudo. E fim.

Pensamentinho de Cabeceira:

"A paz, invadiu o meu coração, de repente me encheu de paz"...

(Gilberto Gil)

segunda-feira, 28 de julho de 2008


Estrada Do Sol
Fernanda Takai
Composição: Dolores Duran / Tom Jobim


É de manhã, vem o sol
Mas os pingos da chuva que ontem caiu
Ainda estão a brilhar
Ainda estão a dançar
Ao vento alegre que me traz esta canção
Quero que você me dê a mão
Vamos sair por aí sem pensar
No que foi que sonhei
Que chorei, que sofri
Pois a nossa manhã
Já me fez esquecer
Me dê a mão vamos sair
Pra ver o sol


Depois da chuva o sol sempre brilha! Vamos sair de mãos dadas para ver o céu num isto de azul e branco, adivinhar as formas das nuvens, ouvir o canto dos passarinhos...
Se o tempo fechar outra vez, não tem problema. Abramos os braços para receber as primeiras gotas de chuva, tiremos os sapatos e bailemos felizes entre as poças.
E desta forma sigamos, sorriso estampado no rosto, amor pulsando no coração e uma infindável alegria no olhar...

Ganhei 2 selinhos! Tão bom... Ganhei da Fernanda e da Aline! Obrigada, meninas! Quero dividir com quem comentar aqui!



Pensamentinho de Cabeceira:
"Aonde o vento é brisa
Onde não haja quem possa
Com a nossa felicidade
Vamos brindar a vida meu bem
Aonde o vento é brisa
E o céu claro de estrelas
O que a gente precisa
É tomar um banho de chuva
Um banho de chuva"...
(Vanessa da Mata)
Esquadros
Adriana Calcanhotto
Composição: Belchior


Eu ando pelo mundo
Prestando atenção em cores
Que eu não sei o nome
Cores de Almodóvar
Cores de Frida Kahlo
Cores!
Passeio pelo escuro
Eu presto muita atenção
No que meu irmão ouve
E como uma segunda pele
Um calo, uma casca
Uma cápsula protetora
Ai,
Eu quero chegar antes
Prá sinalizar
O estar de cada coisa
Filtrar seus graus...
Eu ando pelo mundo
Divertindo gente
Chorando ao telefon
eE vendo doer a fome
Nos meninos que têm fome...
Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle...
Eu ando pelo mundo
E os automóveis correm
Para quê?
As crianças correm
Para onde?
Transito entre dois lados
De um lado
Eu gosto de opostos
Exponho o meu modo
Me mostro
Eu canto para quem?
Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle...
Eu ando pelo mundo
E meus amigos, cadê?
Minha alegria, meu cansaço
Meu amor cadê você?
Eu acordei
Não tem ninguém ao lado...
Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle...
Eu ando pelo mundo
E meus amigos, cadê?
Minha alegria, meu cansaço
Meu amor cadê você?
Eu acordei
Não tem ninguém ao lado...
Pela janela do quarto
Pela janela do carro
Pela tela, pela janela
Quem é ela? Quem é ela?
Eu vejo tudo enquadrado
Remoto controle...

Esses dias eu tenho prestado mais atenção às cores que me rodeiam e, sinceramente, estou redecorando tudo aqui por dentro... Não sei se é porque está pertinho do dia dos meus anos, mas ando numa neura de organizar tudinho mesmo na minh'alma! Até agora os efeitos estão sendo positivos, graças a Deus, rs!

Aposentei o cinza na minha caixa de lápis-de-cor por tempo indeterminado! Chega de pintar meus dias de cores escuras (se bem que o preto até que me cai bem, rs)! Vou gastar bem muito o vermelho, o amarelo, o azul porque as palavras-chave que comporão os dias vindouros serão Amor - Fartura - Felicidade. Quero achar o pote de ouro no fim do arco-íris, dar risada até a barriga doer e estar pertinho de quem eu amo, num chamego só... Dedinhos cruzados, pensamento positivo e uma prece lançada aos céus...

Pensamento de Cabeceira:

"Não que a vida seja assim tão boa, mas um sorriso ajuda a melhorar"...

(Falamansa)

domingo, 27 de julho de 2008

O Que É Que Tem Sentido Nesta Vida
Edu Lobo
Composição: Indisponível


O que é que tem sentido nesta vida
Não vai ser casa e comida
Cama fofa, cobertor
Não vai ser ficar mirando os astros
Ou então andar de rastros
Pelas sendas do Senhor
Para muitos é o dinheiro
Ir de Janeiro a Janeiro
De pé no acelerador
Eu, sinceramente, preferia
Uma vida de poesia
Na vigília de um amor
Há quem creia em ter status
Sair em Fotos&Fatos
Ter ações ao portador
Eu só acredito em liberdade
E estar sempre com saudade
De viver um grande amor

Cansei desse jogo de cartas marcadas, dessa imposição do "bem viver" que insistem em introjetar em nossas mentes, como se houvesse regra pra ser feliz.

Quero sair despreocupada, deixar o vento balançar meus cabelos, tomar banho de chuva, abraçar e ser abraçada, beijar e ser beijada, colher fruta diretamente da árvore e saborear, pendurada num galho, olhando lá de cima a vida passar, quero uma mão pra segurar a minha, braços pra me acolherem num abraço, andar pela estrada sem mesmo saber onde vai dar, mas com a única certeza: a felicidade me acompanhará por onde quer que eu vá! Viver é tão simples...

Pensamentinho de Cabeceira:

"Não existe certe e errado. Existe o que faz você feliz".

(Nem sei quem disse isso, mas eu assino embaixo)



sexta-feira, 25 de julho de 2008


Ruas de Outono
Ana Carolina
Composição: Ana Carolina/ Antonio Villeroy

Nas ruas de outono
Os meus passos vão ficar
E todo abandono que eu sentia vai passar
As folhas pelo chão
Que um dia o vento vai levar
Meus olhos só verão que tudo poderá mudar
Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto
Daria pra escrever um livro
Se eu fosse contar
Tudo que passei antes de te encontrar
Pego sua mão e peço pra me escutar
Seu olhar me diz que você quer me acompanhar
Eu voltei por entre as flores da estrada
Pra dizer que sem você não há mais nada
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto
Quero ter você bem mais que perto
Com você eu sinto o céu aberto...
Ando numa fase "outono"... desfolhando inteira, despindo-me das máscaras, das amarras, de tudo aquilo que me prende ao que eu não sou.
O bom de tudo isso é que, depois de tudo isso, novas folhas sempre nascem, tornando a árvore mais madura, menos ansiosa, preparada pra enfrentar o que vier pela frente!
Que venham minhas folhas, flores e frutos! Estou preparada para recebê-los!
Pensamentinho de Cabeceira:
"O amor floresce, floresce, depois desfolha"
(Maiakovski)
Liberdade
Los Hermanos
Composição: Marcelo Camelo


Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui não, eu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares vou sonhando em outros ares, vou
Fingindo ser o que eu já sou
Fingindo ser o que eu já sou
Mesmo sem me libertar eu vou
É, Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro
Seguro
De que vale ser aqui
De que vale ser aqui
Onde a vida é de sonhar Liberdade


O problema da vida está em ter que ser sempre algo... ser sempre doce para açucarar momentos felizes; ser sempre forte para suportar as provações; ser sempre feliz para atravessar as piscinas de tristeza (e sempre com um sorriso no rosto, ainda que amarelo); ser sempre disponível para o caso de alguém precisar; ser sempre inteligente para não deixar a conversa morrer na praia; ser sempre atenciosa para que os que estão em volta sintam-se amados; ser muitas, sempre muitas, uma para cada um, ser, ser, ser... Mas, quando será que poderei ser melancolia para as horas de solidão? Quando não precisarei ser e serei apenas por opção? Hã? Procura-se um amigo que permita-me não ter que ser, ou que me deixe ser o que sempre quis e nunca fui... EU MESMA! "Eu caçador de mim..."

(Texto escrito por mim e extraído do meu antigo Borboleteando... é que andei pensando sobre isso hoje, aí resolvi republicar.)


Gente, ganhei um selinho fantástico da queridíssima Erica. Fiquei tão feliz, muito obrigada, flor!
Ganhei também um meme da Manu, que é uma fofa e sempre divide comigo os mimos que ganha! Gosto de tu que só, Manu! Olha aó o meme:

1. O que eu estava fazendo há 10 anos atrás?
R: Estava começando a faculdade de Direito, me sentia a última coca-cola do deserto e meu nível de preocupação era zero!
2. Quais são as coisas que vc tem na sua lista prá fazer hoje? (relatar pelo menos cinco coisas)
R: Ir a uma reunião de trabalho, falar com a pessoa mais especial do mundo ao telefone, ir ao ensaio do teatro, estudar, comer e dormir!
3. Snacks/ petiscos vc gosta?
R: Amo. Como toda porcaria (o ruim é que engorda, hunf!)
4. Coisas que eu gostaria de fazer se fosse bilionária?
R: Botar pra funcionar a fábrica de sonhos, viajar pelo Brasil e depois pelo resto do mundo com a melhor das companhias, ter uma casinha na praia e outra na montanha, e doar uma boa parte, porque dinheiro muito não presta não, rs!
5. Lugares que já morei?
R: Aqui em casa, na casinha que fica quase em frente aqui. Ah, e morei por um mês e poucos dias na casa de minha tia Cidália, quando minha mãe tava doente no hospital.

Divido o selo e o meme com quem voar por aqui (e quiser, óbvio, rsrs).

Pensamentinho de Cabeceira:


"É preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas..."


(Antoine de Sain Exupéry )

quinta-feira, 24 de julho de 2008

Soneto do amor total
Vinícius de Moraes

Amo-te tanto meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.
Amo-te enfim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Quero confessar-vos que amo. O amor habitou o meu ser e inquilino se fez. Tomou posse de minh'alma, recusando-se a deixar-me em paz. Meu peito, meus poros, meus olhos, boca e ouvidos, minhas vísceras, transpiram amor, que se dissolve no vento e a mim retorna pelas narinas, através do ar que respiro.

Preciso confessar-vos que amo e que dependente estou deste amor. Não posso precisar o momento em que, sem forças, tornei-me prisioneira e deixei-me envolver pelo mais nobre e ao mesmo tempo mais violento dos sentimentos.

Necessito, imploro, desejo, anseio confessar-vos que amo. Arrebatadamente, escancaradamente, claramente, desinteressadamente, francamente, arcoírismente amo a vida, a luz, a força, a fé, os sonhos, os sabores, os cheiros, as cores e você, cujos ouvidos já ouviram minha alma sussurrar...

Pensamentinho de Cabeceira:

"O amor, é lua que aparece de repente e deixa a noite clara"...

(Jorge Vercilo)

quarta-feira, 23 de julho de 2008

Gente do céu, esses dias ganhei tantos selinhos, que me deixaram tão feliz! É tão bom receber esses carinhos dos amigos... Deram mais colorido à minha vida, viu? Olha eles aí:
Regrinhas do 'meme': responder as perguntas e no final passar pra cinco indicadosentão,vamos lá:
As três alegrias: amar, sorrir e viajar
Os três medos: de ficar sozinha, de não ser feliz, de aranha (;P)
Os três objetivos: passar no mestrado, fazer doutorado, trabalhar com o que gosto
As três obssessões atuais: ler, internet, estudar (¬¬)
Os três fatos surpreendentes:Rir das minhas proprias loucuras;Gostar de escrever;Falar sozinha (rsrsrs!) - vou copiar esses de vc, Tay! huahauaha
Ganhei os selinhos dos meus amigos Milla, Manu, Max Psycho e Gabi. o Meme quem me deu foi a Tay. Tão especiais eles...
Ah, divido com quem borboletear por aqui, certo? Beeeijo grande!

domingo, 20 de julho de 2008

Amigo
Vincius de Morais

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimento, basta ter coração.
Precisa saber falar e saber calar; sobretudo, saber ouvir.
Tem que gostar de poesia, da madrugada, de pássaros, do sol, da lua, do canto dos ventos e do murmúrio das brisas.
Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.
Deve amar ao próximo e respeitar a dor que todos os passantes levam.
Deve guardar segredo sem se sacrificar.
Não é preciso que seja de primeira mão, nem mesmo é imprescindível que seja de segunda mão; pode já ter sido enganado (todos os amigos são enganados).
Não é preciso que seja puro, nem que seja de todo impuro, mas, não deve ser vulgar.
Deve ter um ideal e medo de perde-lo; no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa.
Tem que ter ressonâncias humanas; seu principal objetivo deve ser de ser amigo;
deve sentir pena das pessoas tristes e compreender o imenso vazio dos solitários.
Deve ser D. Quixote sem, contudo, desprezar Sancho Pança.
Deve gostar de crianças, lastimar as que não puderam nascer e as que não puderam viver.
Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos; que se comova quando chamado de amigo;
que saiba conversar de coisas simples, de orvalho, de grandes chuvas e de recordações da infância.
Precisa-se de um amigo para não enlouquecer, para se contar o que se viu de belo ou de triste durante o dia,dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade.
Deve gostar de ruas desertas, de poças de chuva, de caminhos molhados, de beira de estrada, do mato depois da chuva e de se deitar no capim.
Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela,mas porque já se tem um amigo.
Precisa-se de um amigo para se parar de chorar, para não se viver debruçado no passado em busca de memórias queridas.
Precisa-se de um amigo que nos bata no ombro, sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo.
Precisa-se de um amigo que creia em nós.
Precisa-se de um amigo para se ter consciência de que ainda se vive.

Feliz dia do Amigo! Muito embora eu ache que não precisa uma data específica pra demonstrar nosso carinho pelos amigos! Todo dia é dia de mãe, de pai, de filho, de namorado, de amigo...

O que importa é ser feliz agora! Sem deixar pra depois. Então... Feliz hoje! Feliz sempre!

Quanto ao texto de hoje... tinha que ser dele, né? Do Vinicinho...

Amigos que borboletearem por aqui, sintam-se beijados e abraçados sempre!

Pensamentinho de Cabeceira:

"amigo é coisa pra se guardar"...

(Milton Nascimento)

sábado, 19 de julho de 2008

Minha Juazeiro


Encostado ao Crato
Fabio Carneirinho

Tudo ao redor é só beleza
Vejo a grandeza dessa capital
Aprendi muito eu lhe sou muito grato
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
A terra é quente e o cabra soa
Mas é melhor que viver na garoa
Cidade grande eu vou m'embora levo teu retrato
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
Tem forrozeiro, tem repentista
Muito matuto metido a sulista
Gente que come e depois cospe o prato
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
Tem chapeuzinho que no fundo é lobo mau
Tem sapateiro que num vale um sonrisal
Tem burguesia explorando os empregados
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
Tem gente pobre que trabalha o dia inteiro
Tem gente boa feito o povo dos carneiros
Tem muita gente sem feijão no prato
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
Já cruzei mares, cruzei sertões
Vi outras terras, outras nações
Já vi lugares onde não há desempregado
Mas o melhor lugar do mundo
É encostado ao Crato
Naquele tempo muito distante
Era fazenda Tabuleiro Grande
O padre Ciço te levou nos braços

E hoje só és um gigante
Porque é encostado ao Crato

É tão bom falar de nossa terra, de nossas raízes, do nosso chão... Até porque, "o melhor lugar do mundo é encostado ao Crato, ou seja, minha Juazeiro Do Norte!

Minha Juazeiro tem crescido tanto, tem ficado com ar de cidade grande, dessas que a gente trabalha dia e noite, mal fala com os vizinhos e morre de medo de andar por aí e se deparar com um assalto (benzendo-se três vezes se o assaltado não for você, rs).
Sabe, sou completamente a favor do progresso, mas nesses últimos tempos ando tão nostálgica... morro de saudades da minha Juazeiro de infância, de quando eu saía pra brincar na rua, à noite, de pés descalços, e no meio daquela menineira toda nossa rua São Francisco ganhava mais cor, mais graça, os gritos, as gargalhadas, as cantorias das brincadeiras de roda eram música para os ouvidos! Brincávamos de amarelinha, pular elástico, dona da calçada, sete pecados, passa anel...
E aos domingos então? Quando, após a missa do São Miguel, descia uma enxurrada, rumo à Praça Almirante Alexandrino, vulgo Praça Padre Cícero (o Almirante Alexandrino que me perdoe, mas essa praça sempre será a Padre Cícero, rs) e lá, "volteávamos", paquerávamos, marcávamos encontros, crianças corriam despreocupadas, outras tiravam fotos no cavalinho, outras tantas choramingavam por uma daquelas bolas gigantes... O cheiro de pipoca confundia-se com o de algodão-doce, a banda de música vinha tocar no coreto e a criançada ia marchando atrás...
Onde terá ido parar a banda de música? E o moço da pipoca e algodão-doce? ainda estarão por lá? Não sei dizer, deixei de ir "voltear" por lá desde que carros barulhentos passaram a confundir meus ouvidos, uma vez que eram tantos e com músicas tão diferentes ao mesmo tempo...
E as crianças de hoje, onde estarão? Provavelmente trancafiadas em casa, metidas em seus quartos, jogando video game, no orkut ou msn. Que infância, hein? Onde isso tudo vai parar? Como estarão as crianças daqui há dez, quinze anos? Ainda existirá criança no mundo? Ou meros adultos em miniatura? Ou passarinhos engaiolados, vendo a vida passar da janela?
Ainda podemos ver algumas cadeiras na calçada, vizinhos que ainda se conhecem, proseando amenidades, falando da vida alheia ou do último capítulo da novela das oito, alguns velhinhos ainda se encontram, durante o dia, na praça Padre Cícero (que o Almirante Alexandrino me perdoe mais uma vez) para umas partidinhas de dominó e uns poucos guris jogam um futebolzinho minguado na calçada. Bom sinal. Nem tudo está perdido! Nem tudo...

Mais selinhos pra me deixar mais convencida! rsrs


Adoooooooooro esses mimos, tenho que confessar! E dessa vez quem me deu foi meu amigo do Quiabada de Coruja. E deu logo quatro selinhos de uma vez só! A Borboletinha aqui agradece, viu moço? rsrs E dessa vez foi generoso pois tenho que dividi-los com mais 15 blogs amigos! Tá aí os selos e os indicados! Espero que gostem!
Ufa!!! Rsrsrs! Espero que gostem!
Pensamentinho de Cabeceira:
"E quem é ele?
É o padre Cícero Romão
Do juazeiro do norte
Meu padrinho sua benção"
(Chico da Silva)

quinta-feira, 17 de julho de 2008




Fala
Secos & Molhados
Composição: João Ricardo / Luli

Eu não sei dizer

Nada por dizer

Então eu escuto

Se você disser

Tudo o que quiser

Então eu escuto

Fala lá, lá, lá, lá, lá, lá. lá, lá, lá

Fala

Se eu não entender

Não vou responder

Então eu escuto

Eu só vou falar

Na hora de falar

Então eu escuto

Fala lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá, lá

Fala


É tão bom quando a gente tem com quem conversar, quando acha ouvidos que nos escutem e vozes para emprestar os nossos ouvidos também...


Tão bom saber que não se está sozinho, que tem sempre uma mão amiga segurando a sua, um abraço pra te aconchegar, energias boas emanadas pro teu lado. Eu tenho gente assim na minha vida! Graças a Deus!


Acredito que viver é troca, é dar e receber, é ensinar e aprender. Cada acontecimento em nossa vida traz em si um ensinamento, mesmo aqueles não tão agradáveis assim. É como diz Paulo Coelho: nem tudo está completamente errado, até um relógio quebrado está certo duas vezes ao dia. rs...


Quero aprender a enxergar... alguém me empresta uns óculos, por favor?


Genteee, ganhei mais dois selinhos! Adorei! Esse primeiro eu ganhei de dois blogs ao mesmo tempo e tem as regras: O prêmio deve ser atribuído aos blogs que vocês considerem ser bons. Entende-se como bons blogs aqueles que vocês costumam visitar regularmente e deixar comentários.- se você recebeu o “Diz que até não é um mau blog”, deve escrever um post indicando a pessoa que lhe deu o prêmio com um link para o respectivo blog. Neste post devem aparecer o selo e as regras.- indique outros blogs ou sites para receberem o prêmio.- exibir orgulhosamente o selo do prêmio no seu blog, de preferência com um link para o post em que fala dele e de quem te presenteou. Então, ganhei da Gabi do Tipo Certo de Garota Errada e da Bruninha do Flanando! Obrigada meninas! O segundo selinho que é Maaaaaaaaaaaaara, também ganhei da Bruníssima! Vou dividir com:


Pensamentinho de Cabeceira:


"Não há mal pior do que a descrença,

mesmo a dor que não compensa

é melhor que a solidão"...

('Vinicinho' de Moraes)


quarta-feira, 16 de julho de 2008



Borboleta
Adriana Calcanhotto
Composição: Domenico Lancellotti


No lago zulu

O casulo de seda

Da larga lagarta

Do corpo de estrela

Virada no vento

Não vai mais rasteira

Terá vida nova

Farfalla ligeira

Farfalla ligeira borboleta

Farfalla ligeira

Levada na cor

Recorta do ar

O cheiro da flor

Ruído do mar

Mas foge de mim

Na borda da mesa

Ou pousa no prato

De louça chinesa

Farfalla ligeira

Farfalla ligeira borboleta

Farfalla ligeira


Um dia eu era pequena e achava que as nuvens eram feitas de algodão, que a vida era mais fácil e que a melhor coisa da vida era quando chegava de noite e eu podia sair pra brincar na rua...

Um dia eu era pequena e achava graça na florzinha que desabrochava às seis, na lua que despontava no céu, nas cores diferentes das borboletas, no cantar melodioso dos passarinhos...

Um dia eu era pequena e lambia a tigela quando faziam bolo, comia brigadeiro de colher, dava pulinhos, batia palma e soltava gritinhos para cada pipoca que escapava da panela, chupava manga madurinha e me lambuzava inteira, depois lambia dedinho por dedinho, fazia birra pra não comer feijão, beicinho pra não tomar remédio e cara de anjinho pra ganhar doces...

Um dia eu era pequena e acreditava em papai Noel, coelho da Páscoa, fada dos dentes, bicho-papão, loira do banheiro e na sinceridade das pessoas...

Um dia eu era pequena e achava que eu era feliz...


Ganhei esse selo lindo da querida Érica do Cotidiano: letras, imagens e sentimentos achei muito lindo! Amei! Valeu, Erica!


Repasso ele pra quem comentar aqui no blog! quero dividir esse com todo mundo! =)


Pensamentinho de Cabeceira:

"Um dia me disseram

que os ventos às vezes erram a direção.

E tudo ficou tão claro"...

(Engenheiros do Hawaii)

terça-feira, 15 de julho de 2008


O Céu Está Rezando Por Ti
Anjos De Resgate
Composição: Dalvimar Gallo



O céu inteiro está rezando por ti, se for preciso nós estamos aqui.

Se a cruz, te parece pesada demais

Sê fiel e não perca a esperança da paz

Não se esqueça que o amor, que emana de Deus não vai se acabar.

O céu inteiro está rezando por ti, se for preciso nós estamos aqui.

Anjos e Santos intercedem por ti, e se preciso for estamos aqui.

Se o mundo te humilha e te faz dizer não

Creia em Deus, ele vai te mostrar sua direção.

No extremo da dor

O teu Deus segurou forte a tua mão.

O céu inteiro está rezando por ti, se for preciso nós estamos aqui.

Anjos e Santos intercedem por ti, e se preciso for estamos aqui.

No extremo da dor

O teu Deus segurou forte a tua mão.

O céu inteiro está rezando por ti, se for preciso nós estamos aqui.

Anjos e Santos intercedem por ti, e se preciso for estamos aqui.

O céu inteiro está rezando por ti, se for preciso nós estamos aqui.

Anjos e Santos intercedem por ti, e se preciso for estamos aqui.



Hoje, não sei por que cargas d'água achei de lembrar de um fato ocorrido há uns seis anos atrás. Vou lhes contar:

Nesta época eu trabalhava os dois expedientes em um colégio e fazia faculdade à noite. Como nunca conseguia sair na hora, sempre perdia o ônibus que levava os estudantes de graça pra facul e tinha que praticamente ir voando pegar o outro (e pagar a passagem, hunf!) no terminal que ficava a uns oito quarteirões do colégio.

Pois bem, num desses dias agoniados, lá estava eu chegando bufante, vermelha e suada para ver o transporte virando a esquina e a cara do cobrador dando tchauzinho com um sorriso do tipo "lero-lero, perdeu o ônibus, se ferro-ou". Que raiva! Mas, fazer o quê, agora era esperar o próximo...

E foi nessa espera que me deparei com um menininho de uns nove ou dez anos, sentado no chão do terminal, ao lado de uma senhora que julguei ser sua mãe. A mulher tossia muito, uma tosse feia, rouca, daquelas que parecem rasgar a garganta. Aquilo me incomodou um pouco, mas deixei pra lá.

E meu ônibus que não chegava, hein? Ia perder o segundo horário também, droga! A essa altura, minha paciência já estava zero!

De repente, senti uma puxadinha no canto da minha blusa. Virei bruscamente e com cara de poucos amigos, já preparada pra engolir quem ousava me cutucar justo naquela hora infame, quando vi o menininho (é, aquele mesmo que estava ao lado da mãe (?) tossindo). Seus olhos estavam tão espantados, a pele negra empalidecendo, que me vi obrigada a engolir todos os impropérios que estava prestes a soltar em cima de quem quer que fosse. Perguntou-me quase num sussurro:

-Moça! Ei, moça!

-Siiim?

-O que é pneumonia?

Decerto aquela criança ouvira alguém falar que era isto que sua mãe tinha... com certeza mil preocupações passavam por sua cabecinha infantil. Dei-lhe um sorriso, passei a mão em sua cabeça e respondi:

-É doença de tossir. Mas não se preocupa não, tudo vai ficar bem.

-Moça, você sabe rezar? É que ela tá doente de doença de tossir...

-Sei sim, e você sabe também! Pede a Deus e aos céus que cuide de vocês e acredite, tudo ficará bem.

O guri presenteou-me com um sorriso cúmplice e me levou até a mãe (?) dele. Conversei um pouco, perguntei se havia procurado um médico, ela mostrou-me os remédios que conseguira no posto de saúde e relatou que morava ali mesmo, no terminal, sentia fome e frio.

Nesse momento o ônibus chegou! Finalmente! Mas, decididamente, dei meia-volta, fui pra casa, peguei cobertores e um pouco de comida e levei para meu amiguinho e sua mãe (?) doentinha e cuidei um pouquinho deles.

Com certeza, perdi o ônibus e não fui mais à universidade naquele dia mas aprendi lições muito maiores com o menininho do temrinal e sua mãe (?) que tinha doença de tossir.

Nunca mais os vi por lá. Espero, sinceramente que os céus tenham ouvido nossas preces e eles estejam em paz!

Não sei porque lembrei dessa história hoje... deve ter sido justamente para dividi-la com cada um que borboletear por aqui...



Pensamentinho de Cabeceira:

"Há um ANJO aqui que intercede por ti

Trago um pedaço do céu num olhar pra te dar

Há um ANJO aqui bem pertinho de ti

Basta acreditar SOU TEU ANJO aqui."

(Anjos de Resgate)

domingo, 13 de julho de 2008


Sangrando
Gonzaguinha
Composição: Gonzaguinha

Quando eu soltar a minha voz
Por favor entenda
Que palavra por palavra
Eis aqui uma pessoa se entregando
Coração na boca
Peito aberto
Vou sangrando
São as lutas dessa nossa vida
Que eu estou cantando
Quando eu abrir minha garganta
Essa força tanta
Tudo que você ouvir
Esteja certa
Que estarei vivendo
Veja o brilho dos meus olhos
E o tremor nas minhas mãos
E o meu corpo tão suado
Transbordando toda a raça e emoção
E se eu chorar
E o sol molhar o meu sorriso
Não se espante, cante
Que o teu canto é a minha força
Pra cantar
Quando eu soltar a minha voz
Por favor, entenda
É apenas o meu jeito de viver
O que é amar
É sabido que estou num processo de busca interior, né? Então hoje quero dividir com vocês um pedacinho de um livro fantástico que estou (re)lendo. Chama-se "O Poder do Subconsciente", do Dr. Joseph Murphy e o pedacinho que se segue são umas dicas para melhor viver. Lá vão:
  1. Pense no bem e o bem se segue. Pense no mal e o mal se segue. Durante o dia inteiro você é aquilo que pensa.
  2. A mente subconsciente não discute com você. Aceita o que a mente consciente decreta. Se você diz: "Não tenho como comprar isso", o subconsciente trabalha para tornar verdade essas palavras. Escolha um pensamento melhor. Resolva: "Vou comprar isso. Aceito-o em minha mente".
  3. Você tem capacidade de escolher. Escolha saúde e felicidade. Pode escolher ser simpático ou antipático, prestativo, alegre, cordial, estimável, e todo mundo responderá nessa conformidade. Esta é a melhor maneira de desenvolver uma personalidade maravilhosa.
  4. A mente consciente é o 'vigia do portão'. Tem como função principal proteger-lhe o subconsciente de impressões falsas. Resolva acreditar em que uma coisa boa pode lhe acontecer e que está acontecendo agora. Seu maior poder é a capacidade de escolher. Escolha felicidade e prosperidade.
  5. As sugestões e declarações de outras pessoas não têm poder de machucá-lo. O único poder está na maneira como você pensa. Você pode resolver rejeitar os pensamentos e declarações dos outros e afirmar o bem. Você tem o poder de resolver como vai reagir.
  6. Cuidado com o que diz. Você terá que responder por cada palavra ociosa. Jamais diga "Vou fracassar, vou perder meu emprego, não posso pagar o aluguel". O suconsciente não entende uma brincadeira. Faz com que todas essas coisas aconteçam.
  7. Sua mente não é má. Nenhuma força da natureza é má. Tudo depende do modo como você utiliza os poderes da natureza. Use a mente para abençoar, curar e inspirar todas as pessoas, em toda parte.
  8. Jamais diga "Não posso". Domine o medo substituindo-o pela declaração seguinte: "Posso fazer qualquer coisa graças ao poder da minha mente subconsciente".
  9. Comece a pensar a partir das verdades e princípios eternos da vida e não do ponto de vista do medo, da ignorância, da superstição. Não deixe que os outros pensem por você. Escolha seus pensamentos e tome suas róprias decisões.
  10. Você é o comandante da sua alma (a mente subconsciente) e senhor de seu destino. Lembre-se, você tem a capacidade de escolher. Escolha a vida! Escolha a saúde! Escolha a falicidade!
  11. Tudo aquilo que sua mente consciente supõe e acredita que é verdade, a mente subconsciente aceita e procura realizar. Acredite em boa sorte, orientação divina, ação correta e em todas as bênçãos da vida.

Que tal? Eu acredito na força do pensamento. Nós atraímos pra nossa vida aquilo que pensamos! Então: cuidado com o que pensa e diz, viu? Tuuuuuudo pode acontecer... rsrs!

Pensamentinho de Cabeceira:

Eu posso escolher a cor que pintarei meus dias, afinal de contas, a caixa de lápis-de-cor É MINHA!

(Sammyra Santana - aham, eu em meus devaneios, rs)

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Devagarinho e simples... como a vida deve ser!

Ultimo Romance
Los Hermanos
Composição: Rodrigo Amarante


Eu encontrei-a quando não quis
mais procurar o meu amor
E quanto levou foi pr'eu merecer
antes um mês e eu já não sei
E até quem me vê lendo o jornal
na fila do pão sabe que eu te encontrei
E ninguém dirá que é tarde demais
que é tão diferente assim
Do nosso amor a gente é que sabe, pequena
Ah vai!
Me diz o que é o sufoco que eu te mostro alguém
afim de te acompanhar
E se o caso for de ir à praia eu levo essa casa numa sacola
Eu encontrei-a e quis duvidar
Tanto clichê deve não ser
Você me falou pr'eu não me preocupar
ter fé e ver coragem no amor
E só de te ver eu penso em trocar
a minha TV num jeito de te levar
a qualquer lugar que você queira
e ir onde o vento for, que pra nós dois
sair de casa já é se aventurar
Ah vai, me diz o que é o sossego
que eu te mostro alguém afim de te acompanhar
E se o tempo for te levar
eu sigo essa hora e pego carona pra te acompanhar

De repente o ar pareceu mais leve e o semblante da menina serenou. A partir daquele instante as pequenas ranhuras que existiam entre ela e o coração, pareceram fechar, sem vestígios de cicatriz!

Estaria mais forte? Talvez. O que se sabia mesmo, assim, sabia bem sabidinho, era que o universo voltava a conspirar a seu favor, até porque ela mesma decidira jogar em sue próprio time, e, em time que está ganhando não se mexe!

A menina foi deixando o egoísmo de lado, passando assim a compreender melhor o coração, restabelecendo a sintonia entre eles. Não há mais aquela ansiedade pelo que poderá acontecer daqui a pouco, pois, o que se quer é sorver a vida, saboreando cada momento assim, devagarinho e simples, como a vida deve ser!

Pensamentinho de Cabeceira:

"Pra nós, todo o amor do mundo

Pra eles, o outro lado

(Los Hermanos)

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Seção 32
Vander Lee
Composição: Vander Lee


Nem todo fim tem começo
Nem tudo que é bom tem seu preço
Nem tudo que tenho mereço
Nem tudo que brota é do chão
Nem todo rei tem seu trono
Nem todo cão tem seu dono
Nem tudo que dorme tem sono
Nem toda regra, exceção
Nem tudo que morre é de fome
Nem tudo que mata, se come
Nem tudo que é dor me consome
Nem toda poesia, refrão
Nem todo carro tem freio
Nem toda partilha é ao meio
Nem toda festa é rodeio
Nem tudo que roda é pião
Nem toda obra se prima
Nem tudo que é pobre se rima
Nem tudo que é nobre se esgrima
Nem tudo que sobra é lixão
Nem tudo que fito é o que vejo
Nem tudo bonito eu almejo
Nem tudo que excita é desejo
Nem todo desejo é tesão
Nem tudo que ganho é o que valho
Nem tudo que jogo é baralho
Nem tudo que cansa é trabalho
Nem tudo que se dança é baião
É baião
Nem todo amor é em vão
Nem toda crença, ilusão
Nem todo Deus, comunhão
Nem todo pecado, perdão
Nem tudo que se dança é baião
Nem tudo que sobra é lixão
Nem toda poesia é refrão
Nem tudo que se dança é baião

Outro dia, num dos meus momentos "olhar-pro-teto-e-pensar-na-vida", me dei conta do quanto dramatizamos diante de problemas tão pequenos. Às vezes tornamos o bicho maior e mais assustador do que realmente é.
Nos preocupamos tanto com a opinião alheia, vivemos tanto em função do julgamento alheio que suprimimos as nossas vontades, nosso bem estar, nossa felicidade. Mas a culpa é do sistema arcaico através do qual fomos criados.
Quem disse que homem não pode chorar? Quem inventou essa moda de quem ri por último, ri melhor? Quem porcaria foi que disse que mulher serve pra casar, ter filho, cuidar do marido, da casa, do gato, do cachorro, do trabalho, da comida, do escambau? Quem vai me obrigar a plantar um sorriso no rosto, se minha vida, naquele dia tá uma merda? Ahhh... chega!
Definitivamente, a vida real é bem diferente daquelas de propaganda de margarina!
Parto da premissa de que o essencial é a felicidade do ser humano e que as pessoas devem lutar ferrenhamente por ela, desde que esta felicidade não venha a destruir a do próximo.
Euzinha aqui quero optar pela minha felicidade! Se vai se enquadrar ou não nos moldes que a vizinha da frente, ou a fofoqueira da esquina gostariam, aí já vai ser problema delas!
Falando na vizinha da frente e na fofoqueira da esquina, percebo que muitas vezes (na maioria delas, na verdade), as pessoas se importam tanto com a vida dos outros pra, ao menos por aquele momento, esquecer seus próprios fracassos... que maneira errada de ver a vida! Penso que se encarassem de frente seus medos e derrotas, ficaria mais fácil buscar soluções para vencê-los, não é verdade?
Pois é... vou ali, pensar mais... rs...
Pensamentinho de Cabeceira:
"A fé ri das impossibilidades"
(Sei não quem disse isso, mas como não fui eu, vai entre aspas, rsrs)